A fala talvez seja a principal expressão de nossa personalidade.

Um impulso de ar, duas membranas vibráteis em um tubo, alguns dispositivos para ajudar na ressonância e organização dos sons obtidos...
Em algum momento da história, como se supõe, alguém ou um grupo percebeu que roncos e grunhidos involuntários poderiam ser disciplinados, em vez de apenas escaparem da boca como cães sem dono. Essa adaptação acabou mostrando-se eficiente e, mais que isso, ampliou os limites do cérebro, sofisticando notavelmente nossa capacidade de comunicar.

"A fala é uma forma de toque a distância", diz a dra. Elisabete Carrara, fonoaudióloga especializada no tratamento dos distúrbios da voz e da deglutição, coordenadora do Núcleo de Fonoaudiologia do Hospital A.C. Camargo. "Ela conta coisas de você, a forma como você vive, suas origens, é um aspecto importante na profissão, na vida social, em tudo.

A gente influencia e é influenciado o tempo todo pela fala, não só pelo conteúdo, mas também por como está sendo dito: a textura, o timbre, o jeito. Ouvimos uma voz ao telefone e, sem perceber, imaginamos se a pessoa é homem ou mulher, se é gorda, se é magra, se é feia ou bonita..."

Para o dr. Leonardo Haddad, especialista em otorrinolaringologia e cirurgia de cabeça e pescoço, mestre e doutor pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), é possível que não exista tradução mais fiel do que somos. "É por meio da voz que nós exprimimos o que estamos sentindo, o que estamos pensando. Nós gritamos para mostrar que estamos insatisfeitos ou para chamar a atenção, nós choramos e acabamos sonorizando isso. A voz é uma expressão da nossa personalidade – talvez a principal!"
Mas, apesar do prestígio entre os especialistas, falta mais atenção a esse sistema tão complexo, único dentre as espécies animais. "As pessoas só percebem como é importante na hora em que perdem a voz – que é o que eu trabalho dia após dia, paciente após paciente", diz a dra. Elisabete. "Quando não se consegue transmitir o que se precisa transmitir, muitos aspectos na vida são envolvidos, desde profissionais e financeiros até sociais e afetivos."

Todo mundo precisa dela"Outro "Outro dia, um fonoterapeuta mandou um repórter de rua com um diastema, um espaço entre os dentes, algo que faz o ar escapar, produzindo uma fala sibilada. A odontologia corrige isso."

Para o ortodontista dr. José Carlos Pettorossi Imparato, também professor da Universidade de São Paulo, mesmo a perda de um dentinho de leite pode interferir no desenvolvimento da fala.
"Os dentes da frente, por exemplo, funcionam como um anteparo para a língua, um arcabouço. Se a criança os perde num acidente, provavelmente começará a projetar a língua, entre outros prejuízos funcionais, o que pode vir a interferir na fala e na qualidade de vida."

Improviso bem-sucedido Conforme o especialista, mamadeiras e chupetas, mesmo ortodônticas, merecem especial atenção dos pais. "Uso em demasia ou sucção indevida podem levar a uma alteração da cavidade bucal e, depois, a uma mordida aberta ou cruzada. Se não for corrigido precocemente, pode acarretar uma interposição de língua, além de prejuízos à respiração, à alimentação e à fala."

O dr. Imparato cita outra situação clássica. "A criança mama e o leite escorre... Muitas vezes, a língua não está fazendo a pressão correta, não veda, indicando um problema no freio lingual – a chamada língua presa. Costuma exigir uma intervenção simples."

Intrigante que o sistema da fala seja, na verdade, uma bem resolvida adaptação evolutiva, já que nada nele foi feito para esse fim. A laringe tem outras funções primordiais na respiração e na alimentação.

As membranas que chamamos de cordas ou pregas vocais, mesmo elas se desenvolveram para controlar e distribuir os insumos adequadamente – comida para um lado, ar para outro... De certa maneira, falamos porque demos um jeitinho.dia, um fonoterapeuta mandou um repórter de rua com um diastema, um espaço entre os dentes, algo que faz o ar escapar, produzindo uma fala sibilada. A odontologia corrige isso."

Para o ortodontista dr. José Carlos Pettorossi Imparato, também professor da Universidade de São Paulo, mesmo a perda de um dentinho de leite pode interferir no desenvolvimento da fala.
"Os dentes da frente, por exemplo, funcionam como um anteparo para a língua, um arcabouço. Se a criança os perde num acidente, provavelmente começará a projetar a língua, entre outros prejuízos funcionais, o que pode vir a interferir na fala e na qualidade de vida."

Improviso bem-sucedidoConforme o especialista, mamadeiras e chupetas, mesmo ortodônticas, merecem especial atenção dos pais. "Uso em demasia ou sucção indevida podem levar a uma alteração da cavidade bucal e, depois, a uma mordida aberta ou cruzada. Se não for corrigido precocemente, pode acarretar uma interposição de língua, além de prejuízos à respiração, à alimentação e à fala."

O dr. Imparato cita outra situação clássica. "A criança mama e o leite escorre... Muitas vezes, a língua não está fazendo a pressão correta, não veda, indicando um problema no freio lingual – a chamada língua presa. Costuma exigir uma intervenção simples."

Intrigante que o sistema da fala seja, na verdade, uma bem resolvida adaptação evolutiva, já que nada nele foi feito para esse fim. A laringe tem outras funções primordiais na respiração e na alimentação.

As membranas que chamamos de cordas ou pregas vocais, mesmo elas se desenvolveram para controlar e distribuir os insumos adequadamente – comida para um lado, ar para outro... De certa maneira, falamos porque demos um jeitinho.E não é só o cantor, o locutor, jornalista ou professor que precisam dessa ferramenta. "Algo como 70% da população ativa usa a voz como instrumento de trabalho", afirma o dr. Haddad.
"Veja, estamos aqui falando!" Segundo ele, as lesões também podem ocorrer entre crianças – que quase sempre gritam muito. "Meninos entre 4 e 6 anos, principalmente, usam a voz de maneira incorreta e acabam desenvolvendo o nódulo vocal, popularmente chamado de calo."

O principal grupo acometido, porém, é formado por mulheres por volta dos 30 anos, em geral as que falam de maneira abusiva e incorreta. "Professoras são especialmente suscetíveis, pois dão aula em condições adversas, às vezes com pré-adolescentes, aumentando a intensidade da voz. E falam de maneira consecutiva, ministrando aula atrás de aula, sem seguir recomendações de pausas para hidratar e descansar as cordas vocais."

A rouquidão, comum quando se está gripado ou com alguma infecção, funciona como um alarme: se perdura por mais de duas semanas, melhor procurar ajuda médica.
"Nas crianças, qualquer modificação tem de ser sempre investigada", recomenda a dra. Elisabete. "O atraso na fala, por exemplo, com o qual muita gente não se preocupa, pode ser indicativo de alguma disfunção, desde uma surdez até quadros neurológicos mais graves."

Os dentes também contam
O dr. Carlos Francci, especialista em dentística e materiais dentários, professor da Universidade de São Paulo, diz que qualquer alteração no ambiente da boca implica numa alteração da fala. "Vários fonemas dependem do movimento da língua contra os dentes, contra o céu da boca... Assim, uma prótese que recobre o pálato pode mudar totalmente a fala." Conforme o caso, recorre-se aos fonoterapeutas, que por sua vez costumam encaminhar pacientes aos dentistas. O dr. Francci, que também preside a Academia Brasileira de Odontologia Estética, diz que seu trabalho, muitas vezes, é o de facilitar o trabalho desses colegas.

Fonte : http://www.omint.com.br/portal_omint/jornal/1405/capa.html

otorrinolaringologistasantoamaro #dordegargantasantoamaro #laringitesantoamaro #amigdalitesantoamaro #reginaortega #santoamaro #clinicamedica #vacinagripesantoamaro #h1n1clinicareginaortega #h1n1santoamaro #otorrinoconveniomedicosantoamaro #conveniosantomaromedicos #vozsantoamaro #rouquidao

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e fique informado!

Desenvolvido por Fábrica de Tempo

Marcação de consulta Online

Rui Carlos Ortega Filho - Doctoralia.com.br
ou preencha o formulário abaixo:

PRÉ-AGENDAMENTO

  • Etapa 1
  • Etapa 2
cancelar CONTINUAR

Informações de exames: (escolha primeiro se é particular ou convênio)

cancelar